Ter, 16 de Junho de 2020 10:05

Ratinho considera aplicar um lockdown nos paranaenses


Três semanas após flexibilizar medidas de restrição para controlar a pandemia do novo coronavírus, o Governo do Paraná estuda endurecer as regras novamente. A Secretaria de Estado da Saúde deve se manifestar ainda nesta semana sobre o funcionamento dos setores considerados não essenciais. O Paraná viu os casos confirmados de covid-19 passarem de 2.139, em 15 de março, para 9.716 casos até esta segunda-feira, 15. O salto foi de 354%. No mesmo período, o número de mortos pela doença aumentou 176% – passou de 121 para 334.

Parte deste aumento foi atribuído à reabertura parcial de shoppings, centros comerciais, igrejas e templos religiosos. “O número crescente dos casos de covid-19 indica a necessidade de revisão”, disse ao Estadão o secretário estadual da Saúde, Beto Preto.

O titular da pasta confirmou que os técnicos estudam a possibilidade de restrição total dos serviços não essenciais, o chamado lockdown. No entanto, ele defende o caminho do equilíbrio e da moderação. “Se nós pudermos avançar sem (o lockdown), será melhor, mas a possibilidade não pode ser descartada”, resumiu.

A evolução do novo coronavírus no Estado é analisada com atenção na região oeste, onde a presença massiva de clusters industriais e frigoríficos fez aumentar a incidência da doença. A oferta de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) para tratar pacientes com a infecção é analisada diariamente. Em todo o Paraná, das 649 vagas exclusivas para covid-19, 450 estão ocupadas (69%). No oeste do Estado, a taxa de ocupação é de 71% – a maior entre as quatro macrorregiões.

Para o infectologista Bruno Almeida, que coordena a unidade de vigilância em saúde do Hospital de Clínicas de Curitiba (HC), é preciso aumentar o número de exames antes de determinar o relaxamento das medidas de restrição de circulação. O médico afirma que o Paraná conseguiu postergar a curva de contágio impondo medidas amplas de restrição.

No entanto, a providência paliativa perdeu força com o passar do tempo. “Quando você faz mais testes, identifica os infectados precocemente e consegue isolá-los, o que diminui a taxa de transmissibilidade do vírus”, explicou Almeida.

No Paraná, foram aplicados até esta segunda-feira, 15, 55.882 testes, de acordo com a Secretaria de Estado da Saúde. A capacidade de processamento atual é de 5.600 exames diários. Desta forma, o Laboratório Central do Estado e as unidades credenciadas atuam abaixo do limite.




Twitter - Políticos

Jair Bolsonaro


Ratinho Junior


Rafael Greca


Álvaro Dias


Flavio Arns


Professor Oriovisto Guimarães

S5 Box